O COMPASSO DO TEMPO NOS CICLOS DA NATUREZA

Desde que as 13 avós se encontraram e decidiram formar o Conselho há quase 11 anos atrás, sua conversa sempre discorreu sobre a natureza. A Natureza dos nossos povos, nossa cultura. A Natureza do planeta Terra que se encontra ferida, e que está dando uma resposta ao mundo. Nosso compromisso com a Natureza, com sua preservação, com a observação de suas leis e o acatamento delas. Assim caminhamos pelos quatro cantos da Mãe Terra, levando uma bandeira de paz e de preces, plantando uma semente de ação e de coragem pela paz e por toda a Natureza. A Natureza humana, animal, vegetal, mineral, os elementos em interação.

PLANTANDO SEMENTES

Em 17 de Outubro de 2004 fizemos uma declaração,  firmamos um compromisso  e traçamos um plano de ação. Nosso plano de ação foi o de peregrinar por todas as terras natais de cada uma de nós, plantando nossas preces, realizando nossas cerimônias de acordo com nossas tradições originais. Hoje podemos dizer que completamos nosso plano, quando em Julho de 2015, realizamos no Gabão, África, terra natal da Vovó Bernadette, o 13º Encontro das Avós. Durante estes quase onze anos de trabalho intenso, cada uma de nós teve sua oportunidade de organizar em seu país, junto com seu povo, uma recepção para suas companheiras, durante a qual,  todas juntas nivelamos nossas vivências, conversamos sobre nosso coração, sobre nossa visão do desenrolar dos tempos e nossos propósitos em relação ao legado que pretendemos deixar para as gerações vindouras. Durante estes encontros, contamos com a participação de pessoas do mundo inteiro, que se uniram a nós, para compartilhar nossa maneira de tecer a paz, unindo nossas preces de nossas diferentes tradições, em um só rogativa de paz. Esta foi a nossa lavoura, a nossa semeadura. Plantamos estas sementes na fé de vê-las germinar e brotar, multiplicando a aliança dos povos e da Natureza do mundo.

Assim foi que aconteceu. Em torno de nós, ao longo do nosso movimento, fizemos muitos amigos, tocamos muitos corações tivemos nossos corações tocados muitas vezes. Vimos também nossa semente germinar, várias avós pelo mundo afora, serem tocadas e valorizadas e resolverem também criar suas alianças de ação. Vários jovens se sentirem motivados à busca dos ensinamentos de seus ancestrais. Isto foi o que nos alimentou nesta peregrinação. A certeza de que nossa semente era boa e pisamos em terra fértil.

conselho das avós

FECHANDO UM CICLO

Devo dizer que nesta trajetória houve alegrias e tristezas, e sobretudo poucas facilidades. Parece ser que quando se afirma um compromisso com a paz, tudo aquilo que não quer a paz se apresenta para nos confrontar. Com nosso Conselho não foi diferente. Tivemos que trabalhar internamente, em nossos corações e mentes, junto às nossas comunidades e famílias, para vencer os preconceitos, os julgamentos, enfim, tudo aquilo que causa a separação no seio da humanidade. Nós, estas treze avós, seres humanos, pequenas cada uma de nós em nossos limites, crescemos no exercício coletivo da nossa união. Juntas fizemos proezas que isoladamente não poderíamos ter feito. Juntas tivemos que nos perdoar inúmeras vezes e também pedir perdão e nos retratar.  Da minha parte considero que foi este o principal ensinamento que aprendemos nesta jornada e o que temos a legar à nossa descendência. Não somos ícones, nem autoridades. Somos mulheres imperfeitas, mulheres sofridas, mulheres de preces, de muita fé e de muita coragem.

Hoje, ao completar nossa peregrinação, ao atingir o término de nosso plano de ação, se encerra aqui um ciclo. Assim como toda a Natureza, experimentamos o compasso do tempo e suas determinações. Penso nas estações que se sucedem, da Primavera ao Verão, do Verão ao Outono, do Outono ao Inverno e novamente chega a Primavera. Assim somos nós, o Conselho das Treze Avós. De um Inverno brotamos e desabrochamos a flor da nossa Primavera. Pelo mundo perfumamos os corações. No nosso Verão aquecemos e levamos luz aos recantos frios e sombrios de tantos corações. No nosso Outono, frutificamos e espalhamos sementes sobre a Mãe Terra. Nossas pegadas se desenharam por onde passamos, deixando uma mensagem de trabalho e perseverança. Hoje, dentre nós, muitas já se acham recolhidas no fechamento do ciclo do Inverno. Como uma identidade coletiva, o Conselho entra em hibernação. Nossas sementes germinadas assumem sua própria direção.

Que a nossa história possa tocar ainda muitos corações. Que entre nós, os indivíduos que ainda tiverem esta força de ação possam continuar honrando esta memória com fidelidade. Que aquelas dentre nós que já se recolhem, possam desfrutar de conforto e paz. Que os nossos erros se transformem em ensinamentos para nossos seguidores. Que nossos acertos possam adoçar o seu caminho.

AGRADECENDO

Fica aqui, o meu profundo agradecimento antes de tudo ao Espírito da Criação e toda Sua Natureza. Agradecimento à cada uma de minhas companheiras que comigo trilharam este caminho. Agradecimento a todos que caminharam conosco e tornaram possível o sucesso de nossa desafiadora jornada. Especial agradecimento aos jovens que nos ouviram e nos acolheram em seus corações e suas consciências. E finalmente, um profundo agradecimento e toda reverência aos nossos ancestrais que nos conduziram nesta jornada.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>