“Nós precisamos manter a fé viva. É como uma história sem fim. Na minha vila há violência. O que está acontecendo na minha vila está acontecendo no mundo. Nesse momento, precisamos da nossa fé. Precisamos fazer nossa fé ficar mais forte então podemos continuar fazendo nosso trabalho espiritual e continuar ajudando os outros.”

 Julieta Casimiro- Mazateca, México

 A avó Julieta Casimiro é uma anciã curadora do povo Mazatec de Oaxaca, no México. A mais de 40 anos as pessoas de todo o mundo recorrem a Julieta para participar de cerimônias de cura e orientação para a vida. Ela trabalha com pessoas que têm AIDS, câncer, doenças emocionais e desequilíbrio psicológico. “Para o trabalho ir bem, eu estou sempre invocando Deus, diz ela. Desta forma, as pessoas se sentem bem e também são capazes de expressar o que estão passando”.

 Dona Julieta Casimiro nasceu na cidade de Huautla de Jimenez, em 1936. Ainda nova Julieta entrou para a escola primária onde aprendeu a ler e escrever. Mais tarde, ela deixou a escola para ajudar a mãe na cozinha e para ajudar a cuidar dos seus oito irmãos. Aos 15 anos de idade, Julieta conheceu o homem que seria seu marido e dois anos depois, casou-se com Lucio Isaias Pinheiro Carrera.

 A avó Julieta começou a explorar seus dons de cura quando tinha 17 anos. Sua mãe de criação era uma curadora tradicional Mazatec e ensinou sobre o Tenocanacati, os cogumelos sagrados, à Julieta. “Porque não temos dinheiro para os médicos, nós nos curamos com o cogumelo”, explica a avó Julieta. Acredita-se que Deus deu os cogumelos para os camponeses e para aqueles que não sabiam ler, para que eles pudessem ter uma experiência direta de Deus. As plantas medicinais ajudaram Julieta a ganhar sabedoria e aprofundar seu relacionamento com Deus.

 A presença do sagrado feminino está no centro da vida religiosa do México nos dias de hoje. É um esteio para todas as práticas curadoras envolvendo o uso das plantas sagradas. A Virgem de Guadalupe é a protetora de todos os seres, no México, diz a avó Julieta. Uma encarnação da antiga deusa da terra, Coatlique, que era reverenciada pelas civilizações pré-hispânicas de milhares de anos. A aparição de Guadalupe, em 1531 aconteceu em Tepeyac, uma colina fora da Cidade do México, que era um lugar Coatlique de adoração.

 A avó Julieta começa suas sessões de cura com orações e com a iluminação de 13 velas que simbolizam os antigos 13 reinos da consciência asteca. Seus pacientes são então orientados por meio de suas sessões de cura, que pode durar até sete horas. Julieta termina a cerimônia com uma oração de agradecimento ao divino por trazer luz para a vida das pessoas durante a viagem. “As pessoas ficam felizes com a sabedoria, elas se reúnem”, diz a avó Julieta, “Elas reúnem esta sabedoria e se elevam ao Senhor para alcançar a luz do entendimento.”