“Eu gostaria de falar sobre os problemas do mundo e quais são as causas desses problemas. Eu sou tibetana, então eu vou falar sobre a situação do Tibete, o que afeta a todos nós. Os tibetanos tomam conta da terra, mas a Terra agora está se tornando um lugar onde produtos radioativos são enterrados em qualquer lugar. É um perigo para todos.” 

Tsering Golma Gyaltong - Tibetana, Canadá

 Em 1958, Tsering Dolma Gyaltong amarrou dois dos seus três filhos nas costas e fez uma viagem perigosa de 1mês de duração através das montanhas de seu amado Tibete para a Índia. A família estava escapando da brutal tomada de seu país pela China Comunista. A luta de seu marido em mostrar a causa do Tibete para o mundo tornou muito perigoso ficar no Tibete …

Durante a tomada do poder pelos comunistas, a China alegou dois terços das terras do Tibet como suas, assassinando tibetanos, destruindo mosteiros, e desmatando montanhas. Avó Tsering e sua família foram forçados a fazer a mesma viagem que o Dalai Lama, e, como o Dalai Lama, a avó Tsering e sua família nunca foram capazes de retornar à sua pátria.

Tsering Dolma Gyaltong nasceu em Lhasa, no Tibete, em 1933. Seus avós cuidavam de Tsering e seus quatro irmãos enquanto os pais trabalhavam. “Nós éramos pessoas muito felizes. Nossas mentes estavam muito felizes. Podíamos cuidar de muitas crianças. Muitas gerações viveram em uma casa.”

Aos 15 anos, Tsering começou a praticar o budismo, que lhe ensinou que é mais importante se concentrar nos outros e não apenas em um único indivíduo. Tsering percebeu que esta qualidade tinha guiado sua própria mãe e sua avó. “As mulheres tiveram um tempo difícil no Tibete”, lembra avó Tsering . “Tive sorte de ser eu a menina para ser enviada à escola. Então, em sinal de gratidão eu poderia ler e escrever cartas para as mulheres que não podiam.” Em 1972, Tsering deixou a Índia e se mudou com sua família para Toronto, no Canadá. Avó Tsering voltou à Índia em 1984, onde revitalizou a Associação de Mulheres Tibetanas.

Tsering acredita que a maioria das tradições espirituais do mundo são muito semelhantes, exceto o budismo, onde o principal ensinamento é o treinamento da mente. “A nossa mente é o que temos para sermos muito felizes” diz Vovó Tsering. “Se todos realmente tivessem uma verdadeira prática espiritual, que se desenvolvesse em uma mente positiva, o mundo não estaria na situação calamitosa que encontramos hoje.”

 Avó Tsering acredita que a competição e auto-importância são as razões para que a maioria das pessoas não possuam uma paz interior. “As pessoas desejam a felicidade, mas não encontram”, disse ela. “Uma pessoa pode, através de muito sofrimento, reunir uma grande quantidade de dinheiro durante a sua vida, mas o dinheiro não traz bem-estar no final. O verdadeiro problema é que nós não nos amamos. Nós não temos este profundo e puro amor que faz a conexão positiva. Não o suficiente. “